Contraste

Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Paraíba > Hepatite misteriosa: doença pode estar relacionada à Covid

Notícias

Hepatite misteriosa: doença pode estar relacionada à Covid

Os primeiros relatos surgiram em abril, no Reino Unido; hoje, há em torno de 450 casos suspeitos em todo o mundo

por publicado: 18/05/2022 08h54 última modificação: 18/05/2022 08h54
Foto: Ortilo Antônio

Foto: Ortilo Antônio

por Ana Flávia Nóbrega*

A hepatite, que vem sendo tratada como misteriosa, é uma inflamação no fígado que tem como sintomas diarreia, coloração amarela da pele e nos olhos, chamada de icterícia, desconforto respiratório, febre, entre outros. As amostras analisadas até o momento não apresentaram nenhum dos vírus responsáveis pelas hepatites A, B, C, D ou E, por isso as investigações seguem.

Mesmo com os crescentes casos e o ainda desconhecimento, o infectologista Fernando Chagas, médico e diretor do hospital Clementino Fraga, afirmou que os casos preocupam a classe médica e deve alertar aos pais e responsáveis por crianças, maiores acometidas até o momento, para qualquer sinal que aponte o adoecimento.

“Hepatites são inflamações no fígado, elas têm riscos de evoluir para formas graves, até mesmo casos de transplante de fígado. Mas o problema é que nessa situação, em especial, a gente está observando um número assustador de até 10% das crianças acometidas por essa hepatite, necessitando desse transporte. Isso assusta, é claro, mas a gente tem que ter muita cautela. A gente não sabe a causa desses quadros de hepatite, mas já se tem algumas linhas de investigação nos direcionando a algumas etiologias, algumas causas”, declarou o médico.

Nesta segunda-feira, o Ministério da Saúde atualizou a situação sobre os casos suspeitos, informando mais dois casos suspeitos que estão, chegando ao total de 46 casos sob investigação. Foram recebidas 49 notificações, das quais três já foram descartadas. Até o momento, nenhum caso foi confirmado no país.

No nordeste, Pernambuco e Maranhão possuem casos em investigação, com três e um casos, respectivamente. O estado de São Paulo reúne o maior número de registros suspeitos, com 14 casos sob investigação, seguido por Minas Gerais (sete), Rio de Janeiro (seis), Mato Grosso do Sul e Santa Catarina (quatro), Rio Grande do Sul (três), Paraná (dois), Espírito Santo (um) e Goiás (um). A Paraíba não possui nenhuma notificação suspeita.

Desde a última sexta-feira, o Ministério da Saúde montou uma sala de situação para monitorar as suspeitas da doença e fazer levantamento de evidências para identificar as possíveis causas. Para as secretarias de saúde dos estados, a orientação está sendo realizada por meio de notas de risco, indicando como proceder em casos suspeitos, A pasta ressalta que todos os casos suspeitos devem ser notificados de forma imediata, assim como quaisquer alterações no cenário epidemiológico de estados e municípios.

Os primeiros relatos da hepatite misteriosa surgiram em abril, no Reino Unido. Hoje, aproximadamente 450 casos suspeitos foram relatados em todo o mundo. Já em maio, a Organização Mundial de Saúde (OMS) realizou uma reunião com representantes responsáveis pelo setor de saúde do Brasil, Reino Unido, Espanha, EUA, Canadá, França, Portugal, Colômbia e Argentina para discutir sobre o tema.

Número de casos em crianças preocupa

A preocupação com as crianças é maior por se tratarem do maior número de casos suspeitos e, algumas delas, terem evoluído para falência do fígado com necessidade, inclusive, de transplante.

“Esses tipos de hepatites que estão em investigação é o que a gente chama de hepatite fulminante. Ele de fato tem uma evolução diferente, é muito aguda. Não segue as linhas de evolução que a gente observa em alguns tipos de hepatites virais. Então, muitas vezes a gente com três, quatro semanas de evolução que para uma situação de hepatite é um tempo curto, a criança já evolui para praticamente a falência do fígado, que é um órgão extremamente importante, um órgão que tem mais de mil funções no corpo”, alertou Fernando Chagas.

A hepatite é considerada misteriosa porque ainda não se tem comprovação a respeito de qual seria causador da doença. Até o momento,uma pesquisa realizada pelo Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças mostrou que o adenovírus 41 foi identificado na maior parte das amostras de casos suspeitos na Europa e nos Estados Unidos.

O adenovírus 41, no entanto, não é conhecido por ser causador de hepatite em crianças saudáveis. No mundo existem mais de 50 tipos de adenovírus, que podem causar infecções diversas em humanos. O microorganismo do tipo 41 está, geralmente, associado com o aparecimento de vômito, febre, diarreia e sintomas respiratórios.

A OMS afirmou que a infecção pelo adenovírus tipo 41 não foi previamente associada à apresentação clínica descrita nos casos de hepatite infantil. Isto porque, em geral, os adenovírus se espalham de pessoa para pessoa e causam infecções autolimitadas, como sintomas respiratórios. Dependendo do tipo, o vírus também pode causar outras doenças, como gastroenterite (inflamação do estômago ou intestinos), conjuntivite e infecção da bexiga (cistite).

As investigações seguem e, em um artigo publicado na revista “The Lancet”, podem também estar relacionados por uma infecção prévia por coronavírus. O estudo aponta que pessoas contaminadas podem ficar mais suscetíveis ao aparecimento da doença. Isto porque o Sars-CoV-2, causador da Covid-19, cria um ambiente favorável a longo prazo para, quando infectadas pelo adenovírus, as crianças tenham uma resposta inflamatória exacerbada.

A linha de investigação que estuda a relação entre Covid-19 e a hepatite misteriosa leva em consideração ainda, aqui no Brasil, a baixa adesão na vacinação de crianças de 5 a 11 anos, deixando-as mais suscetíveis à infecção.

*Matéria publicada originalmente na edição impressa de 18 de maio de 2022

Av. Chesf - Distrito Industrial, 451. João Pessoa - PB. CEP 58082-010
CNPJ 09.366.790/0001-06